16 de fev de 2014

Anorgasmia





ANORGASMIA



A repressão sexual impede a liberação da fantasia erótica, um fator importantíssimo para o orgasmo feminino. Se uma mulher não se permite fantasiar e se conhecer, descobrir as partes de seu corpo que mais respondem aos estímulos, não aprenderá a arte do prazer sexual.
   



A Anorgasmia é definida como a falta de prazer orgásmico (gozo) após um período de excitação normal isto é, a ausência do orgasmo com conservação do desejo. Também há a DISORGASMIA, o orgasmo fraco.

Pode ser primária, quando a mulher jamais experimentou um orgasmo, ou secundária, quando essa deixou de obter o gozo sexual nos envolvimentos amorosos, antes satisfatórios.

Causas: Patologias que comprometem a irrigação ou a vascularização da região genital e/ou pélvica, problemas emocionais e falta de conhecimento do próprio corpo.

Tratamento - A Fisioterapia Sexual ajuda as mulheres com Anorgasmia ou Disorgasmia com o objetivo de aumentar o fluxo de sangue e reabilitar a musculatura do Assoalho Pélvico e Períneo feminino.

 Jane Difini Kopzinski

9 de fev de 2014

Disfunção sexual

Disfunção sexual

Você mulher sente que há diferença em relação a força muscular vaginal durante o ato sexual sente dor ou desconforto durante a relação,  você pode estar sofrendo alguma disfunção sexual relacionada a fraqueza dos músculos perineais.

A Fisioterapia aplicada à disfunção sexual feminina pode trabalhar com técnicas simples e de baixo custo, um exemplo deste é a cinesioterapia, utilizando técnicas específicas para disfunção sexual tais como exercícios perineais, cones vaginais; biofeedback e assim melhorando a vida sexual dessas mulheres .   
                       
 A Fisioterapia Uroginecológica  juntamente com a Quiropraxia podem ajudar.         
É necessário aprender a contrair corretamente a musculatura do assoalho pélvico com a ajuda de fisioterapeuta e aparelhos apropriados.

Exercícios de Kegel


                                                            Drª Jane Difini Kopzinski

7 de fev de 2014

Síndrome da saída torácica

Síndrome da saída torácica

O desfiladeiro torácico é uma região anatômica localizada na região compreendida entre a cervical e o tórax por onde passam nervos do plexo braquial , artérias e vasos sangüíneos subclávios , tendões, músculos, ossos.
É a disfunção do membro superior resultante da compressão do feixe neurovascular- plexo branquial, artéria e a veia subclávia.
Os nervos, artérias e veias que vão para os membros superiores originam-se na região cervical, passam pelo desfiladeiro estreito torácico até atingir os dedos.
Sintomas: amortecimento (formigamento), sensação de peso, dor e/ou frigidez que podem ocorrer isoladamente ou em conjunto nos membros superiores (braço, antebraço, mão) e, eventualmente, no ombro ou região lateral do pescoço. Pode ocorrer também, ainda que raramente, na mandíbula e região retro auricular (atrás da orelha).
Isto ocorre pois nervos, artérias e veias que vão para os braços se originam ao nível da coluna, na região cervical (pescoço). A partir daí, passam pelo estreito torácico superior até atingir os dedos. Essa síndrome caracteriza-se por haver compressão (ao nível do estreito torácico superior) dessas estruturas, geralmente devido à posição errônea da primeira costela ou à presença de uma costela cervical ou pontes fibrosas entre os músculos escalenos. Outra causa pode estar relacionada a complicações após uma fratura de clavícula (com formação de calo ósseo), etc.
O tratamento de fisioterapia associado a quiropraxia é uma prática muito bem aceita , pois a quiropraxia por ajustes na cervical e torácica descomprime as vértebras, e os exercícios específicos para patologia completam o tratamento.

Drª Jane Difini Kopzinski